Desenvolva a visão interior

Quando passamos momentos tranquilos, em lugares serenos e quando estamos tranquilos ao nível interior, podemos obter todas as informações e orientações de que precisamos.

Para tal, precisamos aprender a desligar a tagarelice irracional que ocupa a maior parte do espaço na nossa mente. 

Os taoístas acreditam que a mente reside no coração.

Assim é aquietando o coração que a mente revela todo o seu conhecimento inerente. 

Repetidamente, Lao Tse diz para se esquecer o conhecimento do “livro” e, em vez disso, receber o conhecimento que vem quando passamos tempo a olhar e a ouvir a nossa vida interior. 

Este é um tipo especial de percepção que é desenvolvido através da prática do cultivo inteiror.

A seguinte prática, ajuda a desenvolver a sua visão interior, na medida em que ajudará a aquietar a mente-coração.

Uma prática para desenvolver a Visão Interior

1 – Sente-se na beira de uma cadeira, sobre uma almofada, ou deitado na cama; feche os olhos. Respire pelo nariz, permita que a respiração se torne lenta e profunda. A língua descansa no céu da boca para ligar dois dos principais canais de energia do corpo: o du mai, que sobe pela parte de trás da coluna e sobre a cabeça até ao palato superior; e o ren mai, que desce pela frente do corpo. Incline ligeiramente a cabeça. 

2 – Permita que a sua atenção se desloque para o mundo interior. Para tal, sente-se em silêncio, sentindo o abdômen a expandir a cada inspiração e a contrair a cada expiração.

Permita que a sua atenção se desloque para o mundo interior. Para fazer isso, sente-se em silêncio, sentindo seu abdômen expandir a cada inspiração e contrair a cada expiração.

3 – Agora abra os olhos ligeiramente, mais ou menos pela metade. Deixe a luz entrar lentamente. Permita-se relaxar o olhar em “foco suave” – isto é, não focado em nada. Pode mover um pouco a cabeça, olhando para tudo ao seu redor, mantendo esse foco suave. Continue a respirar lenta e profundamente.

4 – Depois de algum tempo, feche os olhos novamente e olhe para dentro. Passe algum tempo aqui com a forma sem forma, a Fonte de tudo o que vê, ouve e experimenta. Sinta-se unido com esta Fonte, uma parte do fluxo eterno e contínuo de ser e não ser.

Olhe para si e para a sua vida, vendo tudo com um pouco de objetividade. Quando perdemos essa objetividade, ficamos presos no mundo do dualismo e esquecemos o nosso lugar. Este é o resultado de colocar muita ênfase no mundo exterior e muito pouco no interior. 

Os mestres taoístas dizem que é preciso haver um equilíbrio entre o interior e o exterior, entre o yin e o yang — muita introspecção também pode causar problemas.

5 – Pratique esse foco suave para poder usá-lo na sua vida e chegar a um ponto de equilíbrio. Com esse equilíbrio vem paz e uma harmonia tão profunda que nada o poderá abalar do seu centro.

6 – Ao terminar, junte as palmas das mãos e esfregue-as vigorosamente trinta e seis vezes. (Na prática taoísta, fazemos muitas coisas em múltiplos de três; três é considerado o número mais poderoso porque se relaciona com os Três Tesouros de jing, qi e shen, ou força vital, essência e espírito). Agora repouse as mãos nos olhos e respire. O calor do centro das suas palmas (lao gong) entrará nos seus olhos.

Depois, esfregue as palmas das mãos para cima e para baixo pela cara e topo da cabeça, pela parte de trás da cabeça e atrás das orelhas, permitindo que elas se unam na frente do coração. 

Descanse nessa posição por um momento para concluir a prática.

Voltar